VALIDAÇÃO DE MÉTODO COMPUTACIONAL APLICADO À GALANTAMINA NO PLANEJAMENTO DE CANDIDATOS A FÁRMACOS PARA TRATAMENTO DA DOENÇA DE ALZHEIMER

PRISCILLA FARIAS OZELA

Resumo: A doença de Alzheimer (DA) é uma patologia neurodegenerativa causada por múltiplos fatores, tais como: deficiência de acetilcolina nas sinapses; agregação de peptídeos beta-amiloides para formação de placas senis no tecido cerebral e formação de emaranhados neurofibrilares no interior dos neurônios. É uma doença cada vez mais prevalente em idosos e que ganha importância crescente com o desenvolvimento social e o aumento da expectativa de vida no mundo. Atualmente, existem cinco fármacos aprovados e disponíveis no mercado brasileiro como drogas
anti-Alzheimer, que são a tacrina, o donepezil, a rivastigmina, a galantamina e a memantina, atuando como fármacos alvo-específicos para redução dos sintomas, porém sem apresentar cura conhecida até hoje. Na tentativa de modificar esta realidade, a comunidade científica continua buscando fármacos mais eficazes, de forma que a modelagem molecular tem sido uma importante ferramenta para acelerar o processo de triagem de compostos potencialmente ativos e obter propriedades específicas desses potenciais fármacos. Sendo assim, este trabalho analisou os parâmetros geométricos da estrutura cristalográfica da galantamina, otimizando-a sob diferentes métodos computacionais objetivando a validação do melhor método computacional e conjunto de bases quando comparado ao modelo
experimental, para ser usado em futuros estudos de planejamento de fármacos antiAlzheimer. Para isso, este estudo utilizou vários métodos de química quântica, análise multivariada e estatística, a partir dos quais percebeu-se que, dentre os 15 métodos computacionais avaliados, o método Hartree-Fock associado ao conjunto de bases 6-31G** (HF6-31G**) foi o que melhor reproduziu os parâmetros geométricos experimentais, sendo, portanto, o método validado para galantamina neste trabalho, sugerindo que possa ser utilizado para outros alcaloides com regiões
farmacofóricas semelhantes.

Deixe uma resposta